A visita virtual prossegue até o dia 12 de junho (Foto: Ascom/SDR)

*Da Redação

A  Secretaria de Estado da Agricultura Familiar, do Piauí, e do Projeto Viva o Semiárido (PVSA), recebeu, nesta  segunda-feira, 1º,  a Missão de Supervisão Remota do Fundo Internacional do Desenvolvimento Agrícola (Fida). Além da equipe da SAF e das co-executoras do PVSA , participam da missão cinco consultores e o oficial de Programas do Fida no Brasil, Hardi Vieira. Esta será a primeira missão de supervisão do Fida no Brasil inteiramente remota. A visita virtual prossegue até o dia 12 de junho.

As videoconferências serão realizadas com a participação de representantes de empresas de assistência técnica e extensão rural, cooperativas, associações beneficiárias do projeto no Piauí e representantes das co-executoras como Sefaz, Seplan, Seduc, Sasc, Semar e Emater. A missão tem o objetivo de avaliar os resultados do projeto executado pela SAF, por meio da parceria com o Fundo Interamericano de Desenvolvimento Agrícola e avançar na conclusão de nova parceria de um projeto mais amplo no estado, para os próximos anos.

O secretário de Estado da Agricultura Familiar, Hérbert Buenos Aires, destacou a agenda da missão com reuniões com a SAF e as co-executoras do PVSA, com o objetivo de renovar a parceria por meio de um novo projeto mais amplo, o Piauí Sustentável e Inclusivo, com a operação de crédito externo para um novo financiamento com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e que aguarda a aprovação na Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), ainda este ano.

O financiamento total é de 125 milhões de dólares, aproximadamente 600 milhões de reais, com expectativa de conclusão do desenho do projeto nos últimos meses do ano e início de implementação em 2021, com investimentos na perenização de rios, atuação no meio ambiente e questões fundiárias focando nos municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

O superintendente da SAF e coordenador do PVSA no Piauí, Francisco das Chagas Ribeiro, frisa que a realização da missão remota respeita as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). A programação conta com a realização de visitas virtuais, com associações beneficiárias do projeto, que estão enviando materiais como fotos e vídeos, de diversas comunidades como Umburana Brava, Lagoa do Canto e Vista Alegre, mostrando os resultados dos projetos produtivos nas suas respectivas comunidades, envolvendo a produção, a comercialização, dificuldades e experiências exitosas.

O oficial do Fida no Brasil, Hardi Vieira, ressalta que a agenda vai englobar a preparação da avaliação de impacto do projeto, que está sendo preparada em colaboração com a Universidade Federal de Viçosa (UFV) e outras ações serão discutidas, como um novo projeto de doação do Fida que se chama AKSAAM (Adaptando Conhecimento para a Agricultura Sustentável e o Acesso a Mercados), que prevê ações no Piauí com a Cooperativa dos Produtores Rurais da Chapada Vale do Rio Itaim (Coovita), Instituto IComradio do Brasil (Icomradio), Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco (MIQCB), entre outros parceiros.

Uma das ações do Viva o Semiárido (Foto: SDR)A equipe estará focada nos ajustes necessários para a finalização e o atendimento no campo e atingimento de 100% das metas previstas. Para isso, começa a ser realizada uma pesquisa virtual de resultados com um grupo de beneficiários do Projeto Viva o Semiárido, com objetivo de colher informações de resultados e fazer também um levantamento dos efeitos da Covid-19 no campo e na implementação do PVSA. Com a suspensão da assistência sistemática presencial, por causa do retiro social, também será abordada na missão a retomada do trabalho em campo junto às comunidades. Nesse sentido, o PVSA terá um papel chave na recuperação econômica pós-Covid no meio rural do Piaui.

Hardi Vieira também frisou que o novo projeto na parceria Fida e BID no Piauí irá agregar ações de investimento produtivo a dois eixos muito importantes, o acesso à água com a temática de barragens sucessivas.

– Não só para o consumo humano, mas para produção agrícola, climática e meio ambiente, com a recuperação da vegetação nativa e mata ciliar, ou seja, com acesso à água, meio ambiente e produção sustentável – concluiu oficial do Fida.

PVSA

O Projeto Viva o Semiárido atua em 89 municípios do Piauí e beneficia 211 comunidades e cerca de oito mil famílias com as mais variadas atividades de inclusão produtiva como a avicultura, apicultura, ovinocaprinocultura, cajucultura e a piscicultura.

São projetos com assistência técnica, social e ambiental para as famílias, voltados para as mulheres, jovens e quilombolas.

O investimento total do PVSA é da ordem de 40 milhões de dólares ou aproximadamente R$ 200 milhões.

*Fonte e texto: Ascom/SDR, com reedição de Cerrado Rural Agronegócios