*Da Ascom/Seagro-SP

Em tempos de Novo Coronavírus, um produto se tornou essencial: o sabão. Ao lado do álcool em gel 70%, lavar as mãos com sabão é um dos cuidados que mais têm sido difundidos no combate ao avanço da pandemia. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo ensina uma receita para se fazer sabão em casa, aproveitando o óleo usado em frituras. Tem uma tripla finalidade: promover economia; evitar o descarte do óleo em locais indevidos e que causem estragos ambientais; e o prazer de produzir o seu próprio sabão.

Ao lado do álcool em gel 70%, lavar as mãos com sabão é um dos cuidados que mais têm sido difundidos no combate ao avanço da pandemia (Foto: SEagro/SP-Divulgação)

O extensionista rural da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), engenheiro agrônomo Osmar Mosca Diz, dá todas as dicas da receita, que já foi testada e também é repassada em treinamentos oferecidos pelas Casas da Agricultura e também na sede da CDRS, durante alguns eventos que têm como foco a sustentabilidade.

Ingredientes:

5L de óleo de cozinha usado (preferencialmente coado);
1kg de soda cáustica (granulada ou líquida);
1L de água;
200ml de álcool doméstico

Modo de fabricação:

Colocar todos os ingredientes (exceto o álcool) num balde plástico e mexer com cuidado durante 45 minutos. Caso prefira, pode-se dissolver a soda em água morna, em um recipiente plástico menor, antes de acrescentá-la ao óleo. Depois desse período, acrescentar o álcool e misturar bem. Logo após a colocação do álcool, a mistura irá começar a se solidificar.
Despejar a mistura em assadeiras e aguardar a solidificação por dois dias. Após esse período, a massa, já solidificada, poderá ser cortada em barras, que deverão ser deixadas num local ventilado, para curar por um período de 20 a 30 dias, dependendo das condições locais de vento e chuva.

Pode-se também despejar o sabão em formas plásticas reaproveitáveis; assim, cada sabão, depois de secar e curar, poderá ser utilizado dentro da própria forma.
Alguns cuidados são essenciais e devem ser observados, ensina o extensionista: utilizar luvas, máscara e óculos de proteção para os olhos; usar um cabo de vassoura comprido ou então um bambu para mexer, pois assim é mais seguro. E mexer com cuidado, para não espirrar o produto na pessoa.
– A gordura descartada diariamente na pia de lavar louças ‒ das nossas casas, de restaurantes, escolas etc.‒ representa um sério problema ambiental, devido à sua atividade poluidora das águas, do solo e do ambiente, como um todo – ensina Osmar.

Despejada inadequadamente nos ralos, a gordura geralmente vai parar nos rios, causando sérios danos à vida dos cursos d’água pelo fato de se acumular na superfície da água, comprometendo assim a entrada de luz, de oxigênio e acarretando prejuízos ao desenvolvimento do fitoplâncton, que é a base alimentar da cadeia aquática.
Também, pelo fato de ser insolúvel em água, a gordura tende a se acumular nas tubulações de esgoto, ocasionando entupimentos e, até mesmo, alagamentos em grandes centros urbanos.

Para evitar esse tipo de problema, que afeta a todos nós, a fabricação caseira de sabão pode ser uma alternativa de fácil execução, perfeitamente ecológica e econômica.

*Com edição de Cerrado Rural Agronegócios