*Da Redação

A Embrapa Mandioca e Fruticultura  participa da 20ª Feira de Tecnologia Agropecuária do Tocantins (Agrotins), que acontece, de forma virtual, entre os dias 22 e 29 deste mês.

Denominada este ano como Agrotins Virtual, em função da pandemia do novo Coronavírus, o evento inova ao ser transmitido, pela primeira vez, via internet, na página www.agrotins.to.gov.br

(Foto: Embrapa)

A programação da Embrapa Mandioca e Fruticultura na Agrotins vai abranger palestras gravadas e ao vivo (webinars), vídeos, podcasts e programas de rádio que vão apresentar cinco tecnologias adequadas ao bioma Cerrado, além de promover o lançamento da publicação “Processamento de aipim e de mandioca-brava”.

As palestras foram gravadas por Aristoteles Matos (Seccionamento do Talo de Abacaxi e Produção Integrada de Abacaxi), Davi Junghans (Abacaxi BRS Imperial), Fernando Haddad (Banana BRS Princesa), Herminio Rocha (Reniva – inovação tecnológica e de negócios para produção de material propagativo de mandioca em escala empresarial) e Helton Fleck (Agentes e Papéis nos arranjos da Rede Reniva).

Os temas que fazem parte da programação ao vivo, permitindo ao público interagir com os palestrantes, são: Reniva, Produção Integrada do Abacaxi no Tocantins e seccionamento do talo de mudas de abacaxi, BRS Imperial e BRS Princesa.

Tecnologias

Todas as informações sobre as tecnologias, como publicações, podcasts e os programas de rádio Prosa Rural e Dia de Campo na TV, vão estar disponíveis na Vitrine Tecnológica da Embrapa: https://www.embrapa.br/agrotins-2020

Reniva – A Rede de multiplicação e transferência de materiais propagativos de mandioca com qualidade genética e fitossanitária se constitui na articulação de diferentes atores da cadeia produtiva da mandioca com os objetivos de produzir, em escala comercial, manivas-semente com elevado padrão genético e qualidade fitossanitária e de permitir a disponibilidade de material em períodos de escassez. Emprega processos de clonagem de cultivares registradas e de materiais crioulos, com comprovada sanidade.

Abacaxi BRS Imperial – Resistente à principal doença que ataca a cultura do abacaxi, a fusariose, causada pelo fungo Fusarium guttiforme, que pode levar a perdas superiores a 80% na produção de frutos. O abacaxi BRS Imperial não possui espinhos nas folhas, produz frutos menores que os do tradicional Pérola, com casca espessa, polpa firme, elevado teor de açúcares e excelente sabor.

Práticas de cultivo para a cultura do abacaxi no Estado do Tocantins – O objetivo é orientar o cultivo sustentável do abacaxi, para produzir frutos de qualidade, com custo de produção inferior aos dos cultivos convencionais e de acordo com os padrões atuais de exigência do consumidor. O trabalho é resultado de atividades de pesquisa da Embrapa em parceria com a Seagro e secretarias municipais e apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), associações, cooperativas e produtores.

(Foto: Embrapa)

Banana BRS Princesa – A banana tipo Maçã tem alta suscetibilidade à murcha de Fusarium, doença causada pelo fungo Fusarium oxysporum f.sp. cubense, que provoca perdas de 100% da produção e ainda permanece no solo por décadas. Resistente à murcha de Fusarium, a bananeira BRS Princesa tem porte médio a alto e características de tamanho, formato e gosto muito similares aos da Maçã.

Publicação

De autoria de Luciana Alves de Oliveira, Joselito da Silva Motta, Jaciene Lopes de Jesus, Fabiana Fumi Cerqueira Sasaki e Eliseth de Souza Viana, A cartilha “Processamento de aipim e de mandioca” traz todas as etapas de elaboração de produtos à base de mandioca – colheita, pós-colheita, boas práticas de fabricação, embalagem e rotulagem.

A mandioca-mansa (aipim ou macaxeira) é comercializada como vegetal fresco ou minimamente processada, refrigerada, congelada, pré-cozida (em pedaço ou forma de palito), na forma de purê, chips e bolinhos. Já a mandioca-brava é assim denominada devido ao maior teor de compostos cianogênicos na raiz, sendo utilizada como matéria-prima na produção de farinhas, beijus e tapiocas.

*Fonte: Embrapa Mandioca e Fruticultura