A Coalizão Brasil tem foco na sustentabilidade da agropecuária brasileira (Foto: Divulgação)

Por Antônio Oliveira

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura está focada na segurança alimentar e na sustentabilidade. Os que estão saindo, ou não concordam com quem comungam com seus objetivos,  o fazem por imediatismo e pela política ambiental desastrada do atual Governo.

Vou ser mais claro: uma dessas instituições que estão discordando da Coalizão, grupo formado por grandes empresas nacionais e multinacionais do agro, financeiro, ONGs ambientalistas etc., é a Aprosoja BR e suas 16 seccionais no Brasil, que anunciou no início desta semana sua saída da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), instituição que integra a Coalizão. Ela alega que esta, via de regra, a ABAG,  denegrim a imagem do Agro brasileiro no exterior. Ora, quem denegri é ela, tentando quebrar regras de uma agropecuária sustentável, como avanço em áreas indevidas do Cerrado e da Amazônia; tentativa de acabar com o vazio sanitário; atrelamento da entidade com política partidária, entre outros motivos.

A coisa está de tal forma que se Bolsonaro e Ricardo Salles disserem que plantio direto e vazio sanitário são coisas da esquerda, ela vai recomendar o abandono destas duas práticas agrícolas.

Agricultura e Pecuária seguras são aquelas feitas pensando em safras infinitas, não em 5, 10 safras – não pensando, inclusive,  na sucessão familiar.

Este é o Agro que está confuso, sem rumo. Felizmente, temos o Agro responsável, que bem representa o Brasil.