*Da Agência Embrapa de Notícias

Cientistas brasileiros concluíram o sequenciamento genético de um fungo que atua como inimigo natural de lagartas que atacam a soja, o milho e o algodão. A pesquisa representa um importante avanço do conhecimento científico sobre o fungo Metarhizium rileyi, conhecido entre os produtores de soja como doença branca da lagarta-da-soja, e abre espaço para desenvolvimento de novos produtos biológicos em médio e longo prazos.

O fungo Metarhizium rileyi ataca lagartas prejudiciais à agricultura ( Foto: Daniel Sosa-Gómez )

– Esse fungo atua como um inimigo natural de várias lagartas, como a lagarta-da-soja, a falsa-medideira, o cartulho-do-milho e o curuquerê do algodoeiro. Ele infecta a lagarta por contato com o tegumento e não precisa ser ingerido para atuar naturalmente como controle biológico –  explica o pesquisador da Embrapa Daniel Sosa-Gómez, líder da pesquisa.

O trabalho foi desenvolvido em Londrina (PR), nos laboratórios da Embrapa Soja e contou com a colaboração do Centro de Estudos Parasitológicos de Vetores, da Universidad Nacional de La Plata (UNLP), na Argentina.

– É um fungo que ocorre em vários países do mundo. Com o sequenciamento, podemos conhecer melhor suas diferentes raças e diferenciar as cepas que são mais eficientes para uso como controle biológico comercial – explica.

De acordo com o cientista, ao conhecer o comportamento de cada cepa, é possível associá-lo à identidade genética e às variações que ocorrem em cada local.

A Embrapa Soja mantém, desde a década de 1990, uma coleção de cepas que ocorrem em diferentes partes do mundo, como Argentina, Estados Unidos, Filipinas, Japão, México e Índia.

– Com o sequenciamento do genoma e o cruzamento das informações sobre as cepas que estão em nossos bancos, podemos compreender melhor aquelas com potencial para desenvolvimento de produtos biológicos, assim como é feito com os inoculantes (veja quadro), especificamente como a bactéria Bradirhizobium – detalha.

O sequenciamento envolveu técnicas avançadas de bioinformática, com o uso de ferramentas computacionais específicas para a reconstrução da sequência completa do genoma e para a captura e interpretação de informações moleculares relacionadas a cada gene ao longo do genoma.

– A pesquisa básica leva tempo porque é feita a partir de um grande volume de dados de DNA, que vai sendo revisado e organizado por meio dessas ferramentas, a partir do conhecimento que detemos, e facilitará o entendimento das relações entre os genes e as particularidades desse fungo –  conta o pesquisador. O genoma foi depositado no banco de dados público de sequências biológicas, GenBank-NCBI-NIH, sob o número de acesso SBHS00000000.

Os bioprodutos

O mercado de produtos biológicos tem crescido significativamente nos últimos anos e possui perspectivas de expansão (veja matéria). Entre os produtos mais conhecidos e de ampla adoção no Brasil estão os inoculantes para fixação biológica do nitrogênio. Eles contêm bactérias capazes de retirar nitrogênio do ar e disponibilizá-lo à planta (saiba mais na página sobre fixação biológica de nitrogênio).

Tentando escapar dos fungicidas

Um grande desafio para os cientistas, agora, é fazer esses fungos de controle biológico sobreviverem às aplicações de fungicidas nas lavouras. Isso porque os mesmos produtos usados contra o fungo causador da ferrugem da soja também podem atingir o inimigo natural das lagartas. Por isso, o pesquisador adianta que, para os próximos anos, a Embrapa irá atuar na seleção de isolados que tolerem altas doses de fungicidas, como os utilizados no controle da ferrugem asiática da soja.

– Os sistemas de produção estão cada vez mais complexos e não podemos mais analisar o controle de pragas isoladamente – afirma.

Por isso, o conhecimento obtido por essa pesquisa é tão importante: é preciso encontrar alternativas para tornar os sistemas de produção cada vez mais equilibrados.

– O fungo tem uma característica interessante: ele só ataca as lagartas, portanto tem atuação bastante seletiva, o que, de modo geral, beneficia o equilíbrio dos sistemas de produção – explica Sosa-Gómez.

Os cientistas acreditam que, ao identificar isolados do fungo Metarhizium que tolerem as altas doses de fungicidas usadas no controle da ferrugem, será possível encontrar soluções mais equilibradas para o controle das lagartas. A pesquisa também pode ajudar a identificar os genes envolvidos nos mecanismos de resistência a fungicidas.

O estudo foi publicado no periódico da Sociedade Americana para a Microbiologia (ASM), um dos mais respeitados da área no âmbito internacional, e é assinado pelos pesquisadores Daniel Sosa-Gómez, Eliseu Binneck, da Embrapa Soja, e Cláudia López Lastra, da Universidade La Plata, Buenos Aires, Argentina.

O desafio é fazer com que fungos, como o Metarhizium rileyi, sobrevivam à ação dos fungicidas (Foto: Daniel Sosa-Gómez)

Como o fungo atinge as lagartas

Com distribuição de ocorrência geográfica mundial, o fungo Metarhizium rileyi ataca as lagartas, formando inicialmente uma camada branca (fungo sem esporular) sobre o inseto, por isso o nome popular de “doença branca” em lagartas. É um agente regulador das populações das principais lagartas que afetam as grandes culturas. Por causa de sua atuação altamente seletiva e eficiente em condições naturais ou agrícolas, o fungo se torna um importante agente biológico para o desenvolvimento de bioinseticidas e para a prospecção de componentes biológicos ativos com diferentes usos.

No passado, já serviu de base para desenvolvimento de produtos de controle biológico, mas caiu em desuso, voltando a ter potencial de exploração comercial com o uso das novas técnicas que permitem melhor produção de cepas. De acordo com Sosa-Gómez, atualmente há produtos à base do fungo sendo comercializados na África do Sul.

Foto: Daniel Sosa-Gómez

*Com edição de Cerrado Rural Agronegócios